terça-feira, 31 de outubro de 2017

FALANDO DE MORTE

Verso Morte


Um dia desses partirei é óbvio,
Eu saber não me causa nem um ódio,
Pelo contrário não quero cansar de viver,
E sim apenas olhar o anoitecer...
A vida é tão contraditória,
Porque tentar entender,
Só se for pra enlouquecer...
Ao nascer o símbolo é estrela,
Ao morrer o símbolo é cruz,
É sarcástico e bizarro,
Deveria ser ao contrário...
Mas para mim esses símbolos são liliputiano,
Lembrar e entender que eu vou morrer,
É tão importante, pois dá coragem de tomar decisões,
Tudo cai diante da morte, os medos, a vergonha, o orgulho,
a ignorância o arrependimento e também o medo de perder,
Já estamos nú, não há razão para não seguir o coração...
Quando o dia chegar não quero ser presa em aparelhos,
Para tentar preservar-me a vida, o que tive de viver já vivi,
Podes ter certeza...
Quero a liberdade de partir,
Não quero velórios nem gente olhando a minha face,
Nem muito menos rezas e orações...
Apenas desejo tornar invisível no ar,
Poeira levada ao vento da madrugada,
Ser um pouco do nada,
Ser pó, não preservar um corpo que não mais me pertence,
Pois nem ele mais reconheço,
 Só a psiquê me resta e desejo,
Irei num suave mistério amoroso. 
Drikabresil




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada por sua colaboração *****